Skip directly to content

Descanso para o pé esquerdo do motorista

Chevrolet S10 com motor flex e câmbio automático preenche lacuna dentro da linha; desempenho e dirigibilidade agradam no segmento

Quem quer uma picape grande movida a diesel tem muitas opções no mercado brasileiro. Porém, se a opção for por um modelo flex, as alternativas diminuem bastante: apenas Chevrolet S10, Ford Ranger e Toyota Hilux têm versões capazes de consumir gasolina ou etanol. Das três, a primeira era a única a não ter opção de câmbio automático: isso mudou em abril deste ano, quando o modelo enfim recebeu tal opção de transmissão.

A caixa automática da S10 flex é semelhante à das versões a diesel, com seis marchas e opção de trocas sequenciais por meio de toques na alavanca (não há paddle shifts no volante). Ela pode ser associada tanto a um sistema de tração traseira quanto a outro 4x4, com acionamento por meio de seletor eletrônico. Foi essa última configuração que o Super Motor avaliou. O câmbio manual, também com seis velocidades, segue sendo oferecido para a picape.

O motor flex não mudou: trata-se do 2.5 da família Ecotec, com quatro cilindros, 16 válvulas com duplo comando variável acionado por corrente, bloco e cabeçote em alumínio, injeção direta de combustível – que, além de otimizar a queima do combustível, dispensa sistemas auxiliares de partida a frio – e eixos de balanceamento para anular vibrações. Esse propulsor gera potência de 206 cv com etanol ou 197 cv com gasolina, além de 27,3 kgfm com o combustível vegetal e de 26,3 kgfm com o derivado do petróleo.

Em movimento, a S10 mostra que o casamento entre motor e câmbio foi bem-feito: na prática, não se percebe queda de desempenho em relação à versão manual. A picape arranca com agilidade e apresenta bom desempenho para os seus 1.835 kg de peso. Na estrada, consegue proporcionar ultrapassagens seguras e manter a velocidade de cruzeiro sem dificuldade. A única ressalva vai para a calibração da central eletrônica, que muitas vezes faz trocas de marchas desnecessárias e em momentos inconvenientes.

Consumo

Em consumo, a S10 flex automática também não mostra grandes diferenças em relação à similar manual. A reportagem obteve médias de 7,1 km/L em deslocamentos urbanos e 9,5 km/L em trajetos rodoviários, Longe de ser econômico, o veículo apresenta números aceitáveis para seu porte, peso e cilindrada.

No mais, o comportamento da S10 mostra-se correto. A direção elétrica tem boa progressividade – é leve em manobras e firme em alta velocidade – e os freios com discos da dianteira e tambores na traseira (padrão no segmento) apresentam resultados corretos. A estabilidade é típica de picapes construídas sobre chassi e com suspensão traseira por eixo rígido e molas parabólicas: não assusta em uma tocada normal, mas pode trair o motorista se a condução for mais agressiva.

Nível de conforto razoável associado a boa caçamba

Quem dirige a S10 conta com um posto de controle bem-resolvido, com comandos à mão e instrumentos de leitura fácil. A posição de dirigir, porém, é prejudicada pela ausência de regulagem telescópica da coluna de direção, que pode ser ajustada apenas em altura. Os bancos dianteiros, por outro lado, são anatômicos e apoiam bem o corpo.

Quem viaja atrás, por outro lado, terá de conviver com inconvenientes, entre os quais o assento muito baixo e o encosto verticalizado, que, todavia, são comuns em picapes médias. Ali, o espaço é razoável para três adultos, mas o passageiro central não conta com a proteção do encosto de cabeça, embora possa desfrutar de um cinto de três pontos. O acabamento melhorou após a reestilização que a Chevrolet aplicou à S10 no ano passado. Apesar de o plástico duro ainda predominar no habitáculo, há áreas emborrachadas no painel e nos forros das portas, embora esses últimos tenham perdido o acolchoamento. Já os encaixes dos componentes são precisos.

Uma das benesses do interior da S10 é a central multimídia MyLink, com tela touch de oito polegadas, CD/DVD player, rádio AM/FM, conexão Bluetooth, integração com smartphones por meio de Android Auto e Apple CarPlay, entradas USB e Aux-in, função Audio Streaming e navegador GPS. Intuitivo e fácil de usar, o sistema é integrado ao OnStar, um concierge acionado por telefone, gratuito pelo período de um ano.

Quem pretende transportar carga não tem do que reclamar: a caçamba da S10 tem 1.570 L de volume e traz protetor e capota marítima. A capacidade de carga é de 816 kg.

Muitos equipamentos, mas só airbags frontais

A versão LTZ da Chevrolet S10 vem de série com ar-condicionado automático, computador de bordo, controlador de velocidade, alarme, monitoramento da pressão dos pneus, travas e vidros elétricos, retrovisores com ajuste e rebatimento elétrico, retrovisor interno eletrocrômico, sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, câmera de ré, rodas de alumínio de 18 polegadas, faróis de neblina, luzes diurnas de LED e sensores de chuva e crepuscular.

Entre os equipamentos de segurança, há alerta de colisão frontal, alerta de saída de faixa, controles eletrônicos de tração e estabilidade, airbags frontais e freios ABS. Contudo, a picape fica devendo mais airbags: apenas os dianteiros, obrigatórios por lei, são disponibilizados. Outro item que faz falta é a ancoragem Isofix para fixação de cadeirinhas infantis.

Uma S10 flex automática LTZ 4x4, como a avaliada pelo Super Motor, tem preço sugerido de R$ 130.990. A picape vem com pacote fechado, sem opcionais; o único item pago à parte é a pintura metálica, que adiciona R$ 1.650 ao valor final.

Ficha técnica

Motor: A gasolina e etanol, dianteiro, longitudinal, 2,457 L, com quatro cilindros em linha, 16 válvulas e injeção direta de combustível.

Potência: 197 cv a 6.300 rpm com gasolina e 206 cv a 6.000 rpm com etanol.

Torque: 26,3 kgfm a 4.400 rpm com gasolina e 27,3 kgfm com etanol.

Transmissão: Câmbio automático de seis marchas e tração 4x4 com reduzida.

Suspensão: Dianteira independente, com braços articulados e molas helicoidais, traseira com eixo rígido e feixe de molas.

Freios: Dianteiros por discos ventilados e traseiros a tambor, com ABS e EBD.


Fonte: http://www.otempo.com.br